22 junho, 2024 às 14:30 na Embaixada da Russia (Rua Visconde de Santarém 71, Lisboa) haverá 🙋 64ª Manifestação semanal

22 julho, 2023 ⏱ 14:30
, 📍 Rua Visconde de Santarém 69, Lisboa

No sábado passado realizámos a nossa 16ª manifestação semanal. Todos os sábados, às 14h30, nós reunimos em frente da Embaixada da Rússia em Lisboa para dizer que somos contra o poder ilegal e ilegítimo do Kremlin e contra a guerra que este desencadeou na Ucrânia.

No dia 17 de julho de 2014, uma brigada de defesa aérea russa abateu um avião de passageiros na região de Donetsk, matando 298 pessoas. Foi assim que a guerra na Ucrânia começou há 9 anos. Na altura, os Russos diziam que não estavam lá.

Agora deixaram de fingir. Estão a matar e a arruinar a vida dos Ucranianos, a destruir a economia da Ucrânia, e muitas gerações de Russos terão de pagar por isso.

Putin recusou-se a prolongar o acordo sobre os cereais, que previa que os Russos não disparassem contra os portos ucranianos e que autorizava a exportação dos cereais não só para a Ucrânia, mas também para a Rússia. Mas agora Putin está também a bombardear os portos de Odessa, destruindo as infra-estruturas de carregamento de cereais.

Com o seu comparsa, o ditador e assassino Lukashenko, Putin está a assustar o mundo com armas nucleares, que foram transferidas da Rússia para a Bielorrússia em violação dos acordos que proíbem a proliferação de armas nucleares.

Além disso, Lukashenko ajuda Putin a levar crianças dos territórios ocupados da Ucrânia para a Rússia, sob o pretexto de férias nos campos de saúde. Os oponentes bielorrussos reuniram provas desta situação e, esta semana, os eurodeputados apelaram ao Tribunal Penal Internacional para prender Lukashenko.

Os ditadores de todo o mundo mantêm-se unidos e é por isso que as ditaduras continuam de pé. Nós, que nos opomos às ditaduras nos nossos próprios países, temos de unir-nos, partilhar experiências bem sucedidas e encontrar formas de combatê-las. Juntos, a nossa voz será mais forte.

Estamos a preparar uma grande manifestação contra o regime do Putin, contra as ditaduras e para apoiar o desenvolvimento da sociedade civil no dia 20 de agosto, às 17h00, na Praça dos Restauradores, em Lisboa
< >