22 junho, 2024 às 14:30 na Embaixada da Russia (Rua Visconde de Santarém 71, Lisboa) haverá 🙋 64ª Manifestação semanal

🙋 42ª Reunião semanal

20 janeiro, 2024 ⏱ 14:30
Embaixada da Russia, 📍 Rua Visconde de Santarém 69, Lisboa

O que você pode realmente fazer para ajudar os Ucranianos afetados pela guerra. Estamos a aproximar-nos de uma Rússia sem Putin e sem Putinismo.

Está a ver as notícias da manifestação semanal em frente à Embaixada da Rússia em Lisboa. Hoje, dia 20 de janeiro, às 14h30.

No dia 17 de janeiro, Mikhail Savva, um perito do Centro Ucraniano para as Liberdades Civis, organizou uma reunião internacional com defensores dos direitos humanos, o "Solidarity Talk". O tema da reunião foi "Não-combatentes ucranianos presos ilegalmente pelos ocupantes: como libertar todos sem condições e trocas". O nosso representante também esteve presente na reunião.

A ligação para o vídeo encontra-se na descrição.
youtu.be/FWDLoLj0z_g

De acordo com o Grupo de Direitos Humanos de Kharkiv e outros defensores dos direitos humanos, entre 7,000 e 14,000 civis ucranianos foram ilegalmente detidos desde 2014. Desde julho, vários funcionários da central nuclear de Zaporizhzhya foram mantidos na cave da esquadra de polícia sem que lhes seja notificada uma detenção formal. De facto, umas mulheres detidas desde 2017 continuam em cativeiro.

Alguns civis morrem durante a tortura e a prática da tortura está a aumentar. As pessoas não dispõem de apoio jurídico suficiente para defender os seus direitos. Estão a ser torturadas, algumas ficaram com os dentes completamente partidos. E há pergunta sabe quem vai pagar para lhes fornecer próteses dentárias. É preciso também de ajudar as famílias destes prisioneiros.

Os defensores dos direitos humanos precisam de ajuda: têm de procurar a localização dos "prisioneiros civis" na Rússia e no território ocupado da Ucrânia. Um advogado russo pode fazer um pedido de informação à prisão sobre a presença de uma pessoa e o seu estado de saúde. Muitas vezes, o Provedor de Justiça russo responde que não existem tais pessoas. Mas também há casos de sucesso, diferentes organizações já resgataram várias dezenas de pessoas cada.

Além disso, de acordo com os defensores dos direitos humanos ucranianos, parce que ninguém no estrangeiro saiba desta situação. Nós temos de ajudar a divulgar a informação. Podemos recorrer ao Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Detenção Arbitrária, ao Comité dos Direitos Humanos e ao Tribunal Penal Internacional.

Mikhail Savva sugeriu que os Russos no estrangeiro ajudassem com o seguinte: precisamos de encontrar e pagar advogados para as famílias dos Ucranianos detidos ilegalmente, para que possam iniciar processos criminais nesses países por detenção ilegal. Se estiver disposto a participar neste trabalho, envie-nos um e-mail para os contactos que pode encontrar no nosso site adrl.pt.

Além disso, o Centro de Liberdades Civis está a promover a ideia de sanções para a detenção ilegal de civis.

Na nosso lista de iniciativas em adrl.pt, pode procurar as organizações Rubicus e Pluriton, que ajudam os Ucranianos a sair da Rússia e dos territórios ocupados. É perigoso e requer fundos para bilhetes e outras despesas. Ajude-os com os vossos donativos.

E, claro, este domingo, 21 de janeiro, venha às manifestações:

14:00, Praça dos Restauradores, Lisboa.

13:00, Praça da Batalha, Porto.

Marat Gelman, galerista e oposicionista russo, membro do Comité Anti-Guerra participará à manifestação em Lisboa!
antiwarcommittee.info/

Diga não ao regime de Putin e comece a tomar medidas activas para que chegue o dia em que Putin desapareça!

< 🙋 41ª Reunião semanal 📢 Grande manifestação na Rússia sem Putin e Putinismo >